AGRICULTURA

Ministério da Agricultura suspende vacinação contra febre aftosa em 6 estados e no DF a partir de novembro
Em Mato Grosso do Sul, o governador explica que a campanha de imunização deste ano será a última antes da certificação das autoridades sanitárias nacionais e internacionais. Quase 50% do rebanho brasileiro deixará de ser vacinado


A vacinação será suspensa a partir de novembro de 2022 - Foto: Victor Guimarães/ Governo do Tocantins

A partir de novembro deste ano, a vacinação contra febre aftosa será suspensa em seis estados e no Distrito Federal, de acordo com anuncio feito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) neste sábado (30). As unidades federativas que não vão precisar mais realizar imunização nos rebanhos são:
 
  • Espírito Santo;
  • Goiás;
  • Mato Grosso;
  • Mato Grosso do Sul;
  • Minas Gerais;
  • Tocantins;
  • Distrito Federal.

Os estados que estarão inclusos na zona livre de febre aftosa sem vacinação fazem parte Plano Estratégico do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa (PE-PNEFA), que prevê a retirada total da vacinação no país até 2023.

Para o Mapa, aproximadamente 113 milhões de bovinos e bubalinos deixarão de ser vacinados, o que corresponde a quase 50% do rebanho total do país.

O secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, José Guilherme Leal, explicou que essas unidades da federação vão terminar a vacinação em novembro, quando irão parar de vacinar, se preparando para mudar o status para livres de febre aftosa sem vacinação.

Em nota, o Ministério explicou que a suspensão está inclusa em uma parte do projeto de ampliação de zonas livres de febre aftosa sem vacinação no país. "Para realizar a transição de status sanitário, os estados e o Distrito Federal atenderam aos critérios definidos no Plano Estratégico, que está alinhado com as diretrizes do Código Terrestre da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE)", detalham.

Para que um estado seja reconhecido como "zona livre de febre aftosa sem vacinação", as organizações de saúde nacionais e internacionais exigem a suspensão da imunização contra a febre aftosa e a proibição de ingresso de animais vacinados nos estados e regiões propostas por pelo menos um ano.

O Brasil tem como meta o ano de 2026 para que o país se torne livre de febre aftosa sem vacinação. Até então, no país, apenas Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e algumas regiões do Amazonas e Mato Grosso possuem a certificação internacional de zona livre de febre aftosa sem vacinação.

Em Mato Grosso do Sul

O secretário Nacional de Defesa Agropecuária afirmou que Mato Grosso do Sul deixa de ser área livre de febre aftosa sem vacinação, pelo trabalho realizado por produtores e políticas públicas.

"Mato Grosso do Sul fez um grande investimento, seguindo as metas do Ministério da Agricultura, e agora está autorizado a vacinar pela última vez em novembro e a partir do ano que vem, pelo reconhecimento nacional, estão livres da febre aftosa sem vacinação, e isso vai abrir novos mercados e reduzir custos para os pecuaristas", pontuou.

Para o governador Reinaldo Azambuja, isso é resultado de um trabalho que vem sendo realizado há anos, com investimentos em infraestrutura, tecnologia, capacitação dos servidores e ações sanitárias eficientes e rígidas. "Isso aumenta muito a competitividade dos nossos produtos da agropecuária, vai trazer um novo perfil da agropecuária de Mato Grosso do Sul, nossos produtos serão mais valorizados lá fora, aquilo que é produzido aqui terá um valor agregado e toda a sociedade ganha com isso".


Fale conosco ou participe do nosso grupo do WhatsApp




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



AGRICULTURA  |   19/05/2022 21h36





AGRICULTURA  |   17/05/2022 16h10


AGRICULTURA  |   14/05/2022 19h41