TURISMO | Profanação

Lider do grupo Irmandade do Santíssimo de Pirenópolis quer cercar a igreja para evitar profanação
Os membros da irmandade alegam que as pessoas estão usando o lugar para fazerem festa e fumar maconha

Um grupo de moradores de Pirenópolis, que faz parte da Irmandade do Santíssimo e alguns parlamentares quer criar um movimento para colocar grades fixas permanentes ao redor da Igreja Matriz, um dos principais monumentos históricos da cidade.

 O movimento defende a necessidade de proteger a igreja da "blasfêmia", como acontece em períodos como Réveillon e Carnaval. Durante esses períodos, a igreja permanece cercada temporariamente para evitar que muitas pessoas se aglomerem em torno do edifício histórico. A disputa  vem causando uma divisão de opinião.

Séphora de Pina, presidente da Comissão Pirenopolitana de Folclore, disse que a idéia é mudar a paisagem local, o que pode prejudicar o modelo estético da cidade.

“Eles tomaram a decisão sem se comunicar com a prefeitura ou mesmo a paróquia. Isso é algo que vale a pena estudar, mas não é viável. Poís tira todo o charme da cidade”, disse ao Mais Goiás.

Para Séfora, o fato da cidade e da própria Igreja Matriz ser tombada historicamente já impede o andamento do projeto.

“O padre ainda vai discutir e ouvir a paróquia toda, isso ainda será estudado. Todos estão achando um absurdo. Isso é uma coisa inviável por ser uma cidade do patrimônio histórico e a igreja serem tombada. Não pode simplesmente cercar com a grade atrapalhando a entrada e imagem da igreja, saindo totalmente do que é a cidade”, declara.

Além disso, a intervenção e instalação de estruturas como grades fixas devem ser avaliadas pelo IPHAN, e o instituto ainda não tinha conhecimento sobre essa idéia, de forma que não há poluição visual ou qualquer outro dano próximo ou ao lado dos edifícios históricos que foram listados como patrimônio cultural brasileiro.

A autocracia federal está em contato com o Ministério do Turismo e é responsável pela proteção do patrimônio cultural brasileiro. Mudanças nas construções históricas e na composição urbana devem ser aprovadas pelo instituto de pesquisa.

Líder do movimento defende idéia em torno da igreja paroquial de Pirenópolis, Eduardo Tadeu do Nascimento, explicou ao Mais Goiás que essas grades foram instaladas para a “segurança” da Igreja Matriz.

“Esse gradeamento é mais que necessário e estamos tentando discutir para chegar a um consenso. Não se trata de preocupação estética, mas para proteger a frente da Matriz que se transformou em uma situação caótica”, alega.

Ainda de acordo com ela, as pessoas acabam por não ter respeito e colocam carros com som alto na porta da igreja e a cerca evitaria esses comportamentos.

“Estão fumando maconha na porta da igreja e isso é uma situação inusitada para nós”, completa.

A cerca contra “profanação” não prejudicaria a estética, segundo a Irmandade do Santíssimo. Na avaliação de Eduardo, a idéia não prejudica a estética, pois segundo ele a grade teria apenas 1,5m e a igreja tem 30 metros de altura.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



TURISMO  |   29/11/2021 17h22





TURISMO  |   22/08/2021 11h13